Estratégia Portugal 2030

Digitalização, Inovação e Qualificação - O plano para 2030

A agenda Digitalização, Inovação e Qualificações como Motores do Desenvolvimento, surge estruturada em torno do objetivo de promover uma recuperação e um crescimento inteligente, sustentável e resiliente da economia portuguesa, alicerçado nas qualificações, no conhecimento, na digitalização e na inovação, materializando uma estratégia de especialização inteligente da economia portuguesa e das suas regiões.

Apesar de Portugal se encontrar a progredir neste sentido, existe ainda na economia portuguesa um perfil de especialização produtiva concentrado em atividades com menor intensidade em tecnologia ou conhecimento, insuficiente presença de atividades transacionáveis e nos mercados digitais, e uma estrutura empresarial marcada por empresas com pequena dimensão e com insuficiente robustez financeira. Adicionalmente, acresce também o legado de baixas qualificações e competências dos recursos humanos, quer ao nível dos ativos, quadros e dirigentes, que limita a sua empregabilidade e produtividade, e que condiciona o desenvolvimento de uma economia assente na inovação e conhecimento, tendo sido ainda mais revelado pela recente pandemia.

Face a estes problemas, é de extrema importância explorar possíveis oportunidades referentes aos novos desafios tecnológicos e societais, como a digitalização, a indústria 4.0, as alterações climáticas/ economia circular ou a evolução demográfica, o envelhecimento, bem como a potencial reconfiguração das cadeias globais de criação de valor em setores de maior intensidade tecnológica e de conhecimento. Assim, estima-se potenciar a geração de valor e criação de emprego transversais a toda a economia, no sentido de alterar o perfil setorial do tecido produtivo.

Os objetivos para esta agenda são, entre outros, o aumento da despesa total em investigação e desenvolvimento (I&D) para 3 % do produto interno bruto (PIB) em 2030; a redução da percentagem de adultos, incluindo jovens, em idade ativa sem o nível de ensino secundário; alcançar um nível de 60 % dos jovens com 20 anos que frequentem o ensino superior, com 50 % dos graduados de educação terciária na faixa etária dos 30-34 anos até 2030; alcançar um nível de liderança europeia de competências digitais até 2030; e o aumento das exportações de bens e serviços, ambicionando-se atingir um volume de exportações equivalente a 50 % do PIB na segunda metade desta década;

A Frederico Mendes & Associados tem colaborado com as empresas neste sentido, encontrando para cada uma, uma solução à sua medida, no que diz respeito ao aumento do número de exportações, à capacidade de introduzir novas tecnologias e processos ligados aos conceitos de digitalização e indústria 4.0. Este tipo de medidas permite às empresas uma maior criação de valor e de empregos, potencializando a sua presença no setor onde atuam.

No futuro continuaremos a observar a abertura de novos avisos disponibilizando diferentes instrumentos de financiamento, nomeadamente no âmbito de instrumentos financeiros europeus e nacionais como o Portugal 2030, o Programa de Recuperação e Resiliência, Fundos Europeus e outros de interesse para o efeito.

Beatriz Silva | Innovation Team